25.2.14

Livro: Se eu fechar os olhos agora

 
Se eu fechar os olhos agora

Autor: Edney Silvestre
Editora:
Record

Ano:
2010


Sinopse: Numa pequena cidade da antiga zona do café fluminense, em abril de 1961, dois meninos de 12 anos encontram o corpo de uma linda mulher, que foi morta e mutilada, às margens de um lago onde vão fazer gazeta. Eles não aceitam a explicação oficial do crime, segundo a qual o culpado seria o marido, o dentista da cidadezinha, motivado por ciúme. Começam uma investigação ajudados por um velho que mora no asilo da cidade, um ex-preso político da ditadura Vargas. Para os meninos, um terrível caminho de amadurecimento e chegada à vida adulta. (Livraria Saraiva)

Porque ler?
É uma história envolvente. Paulo e Eduardo são dois garotos de classes sociais distintas que entre as travessuras da infância acabam descobrindo o corpo de uma mulher, durante um passeio escondido para tomar banho num lago. A cena acaba marcando a história de vida de ambos, que acabam se envolvendo no mistério que cerca o assassinato. Nesse contexto um terceiro personagem entra no enredo para ajudar os meninos, o cozinheiro aposentado Ubiratan. O que o trio não imagina ao fuçar os fatos por trás do crime bárbaro é que pessoas muito poderosas estão ligadas a morte de Anita, uma jovem de vida libertina e que mantinha um casamento de fachada com um velho dentista. Logo o trio se vê diante de um emaranhado de relações envolvendo políticos, empresários, a dona de um cabaré, um jogador de futebol galanteador, uma mocinha fogosa e uma esposa infiel.

Paralelo a descoberta dos fatos relacionados a morte, os garotos tentam manter a rotina familiar, muito embora na vida de um deles essa não exista, já que o pai é totalmente omisso e o irmão um exemplo a não ser seguido. O final do livro é surpreendente.


Edney Silvestre descreve muito bem os cenários possibilitando através dos detalhes imergir o leitor na narrativa. Não é a toa que o livro valeu ao jornalista o Prêmio Jabuti em 2010. Eu indico!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...