4.8.11

12 sinais clássicos de gravidez

Além do atraso menstrual existem sintomas clássicos que dão a dica de um possível diagnóstico positivo. Confira:

Dores de cabeça
O aumento do volume de sangue pode acabar gerando dores de cabeça durante as primeira s semanas da gravidez.


Corrimento escuro
Muitas mulheres realmente acreditam que estão menstruando quando, na verdade, estão com uma espécie de corrimento completamente normal durante os primeiros dias da gravidez. Menos intenso e mais claro que o sangue da menstruação, é sinal da preparação do corpo para receber o bebê em desenvolvimento.


Escurecimento dos mamilos
Os hormônios liberados pela gravidez também agem nas células responsáveis pela coloração dos mamilos, tornando-os mais escuros que de costume. Mulheres morenas ou negras podem demorar um pouco mais par perceberem este sintoma.

Cólicas
Algumas mulheres podem sentir cólicas como se estivessem prestes a menstruar. Isto na verdade é um sinal de que o útero está se preparando para a expansão que sofrerá ao longo da gravidez.

Enjoo matinal
A náusea varia de intensidade de grávida para grávida, mas o que ninguém discute é o fato de ela ser extremamente desagradável. Esse sintoma pode ser minimizado com a ajuda de algumas frutas (como abacaxi, kiwi, laranja, limão e água de coco), além de não ficar mais de três horas em jejum.

Seios e corpo inchados e doloridos
Durante a gravidez, existe um aumento na quantidade de sangue e líquidos no organismo em geral. O tecido dos seios é extremamente sensível às mudanças hormonais. O sistema circulatório sofre uma alteração e, quando não dá conta, gera o problema. O crescimento do útero, que acompanha o desenvolvimento do bebê e comprime os vasos da região pélvica, também prejudica a circulação. A dificuldade é que, no verão, todo esse processo tende a ficar mais lento ainda e aumenta o inchaço. Para evitar o desconforto, a grávida deve praticar atividade física regular em locais e horários mais frescos do dia, não ganhar peso excessivamente, aumentar a ingestão de proteínas na dieta e hidratar-se.

Aumento da vontade de fazer xixi
Se tem uma coisa que acontece com a grávida desde o início é o aumento das idas ao banheiro. Há duas explicações. Uma é que, com o aumento de líquido circulando pelo corpo, os rins aceleram seu funcionamento, eliminando mais resíduos. A outra é que o crescimento do útero faz pressão contra a bexiga, que não consegue reter a urina. Essa pressão diminui a partir do quarto mês, quando o útero atinge a cavidade abdominal. Uma saída é inclinar-se para frente na hora de ir ao banheiro, para esvaziar totalmente a bexiga, reduzindo as idas ao banheiro.

Sonolência em excesso
O excesso de hormônios circulando e o metabolismo mais lento deixam a grávida com sono. Repousar após as refeições é o ideal. No trabalho não dá para fazer isso, mas procure uma cadeira confortável e leia um pouco antes de retomar suas atividades.Tente colocar um travesseiro alto na cabeça e outro entre as pernas para dar um apoio. Usar algo embaixo da barriga, para sustentar seu peso, também traz conforto. Do lado direito do abdome passa a veia cava inferior, que é grossa e traz bastante sangue de volta ao coração. No final da gravidez, quando a barriga já está grande, o peso do útero pode comprimir essa veia, provocando falta de ar, por isso os obstetras recomendam deitar-se sobre o lado esquerdo. Há grávidas que não sentem nenhum incômodo de barriga para cima. Nesse caso, tudo bem. No entanto, a posição não é aconselhável para gestantes com hipertensão (pressão alta) ou hipotensão (pressão baixa). Um banho quente antes de dormir também ajuda a relaxar.

Alterações de humor
Na gravidez, a mudança repentina de humor é tão inevitável quanto o crescimento da barriga. Essa montanha-russa de emoções tem razões fisiológicas e emocionais. O desequilíbrio hormonal, por exemplo, pode ter um efeito depressivo sobre as gestantes. Além disso, medo e ansiedade também influenciam os sentimentos da grávida. O resultado são crises de choro diante de comerciais de sabão em pó, mas não é preciso se sentir culpada por estar tão sensível. 'Os próprios sintomas da gravidez alteram o humor da mulher e vice-versa', conclui o obstetra Marco Antonio Lenci. O que fazer? Ser otimista é a melhor saída para enfrentar os nove meses.

Prisão de ventre
Pesquisas mostram que a constipação afeta cerca de 40% das gestantes, e isso ocorre porque as alterações hormonais deixam o intestino mais lento. O aumento no volume do útero com o desenvolvimento do bebê acaba exercendo também pressão sobre os intestinos, dificultando seu funcionamento normal.

As frutas contribuem para o alívio da constipação, já que muitas delas são compostas por fibras. Mas é importante ingerir outras fontes de fibra, como grãos integrais, feijões e legumes. Beber muita água também umedece as fezes e facilita sua eliminação. Quem não gosta muito de tomar água pura pode colocar uma rodelinha de limão, laranja ou umas folhas de hortelã no copo, para dar um sabor especial. Outra boa ideia é deixar ameixas-pretas em uma jarra com água e beber dois ou três copos por dia.

Vômitos
Algumas mulheres enjoam e vomitam nos primeiros meses da gravidez, sintomas que os médicos costumam atribuir a fatores hormonais ou psicológicos. Mas eles se tornam sinais de alerta quando o quadro é contínuo: a náusea é quase permanente e os vômitos se repetem após todas as refeições, caracterizando a hiperêmese gravídica, que atinge menos de 0,5% das grávidas. “Por vomitar todas as vezes que ingere um alimento ou líquido, a gestante pode sofrer de desidratação e desnutrição. Em casos raríssimos acontece o óbito”, explica Luiz Roberto Zitron, obstetra do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. O maior perigo da hiperêmese gravídica é o desenvolvimento do bebê ser prejudicado por uma deficiência de nutrientes na gestante. Esse risco é combatido com medicamentos contra náuseas por via oral ou intramuscular, dieta especial e suplementos alimentares.

Desejos estranhos
O passar do tempo parece aumentar o desejo das grávidas. Uma pesquisa realizada pela Universidade da Grã-Bretanha mostra que as gestantes de hoje em dia sentem mais vontade que as de antigamente. Foram entrevistadas 2,2 mil mulheres. Dessas, 75% afirmaram ter desejos alimentares. A sondagem foi conduzida pelo site Gurgle.com, especializado em maternidade. De acordo com o site, há 50 anos um estudo similar constatou que apenas 30% das grávidas tinham vontades súbitas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...