22.7.10

Insano

Querida,

Talvez daqui a algum tempo este monte de palavras lhe pareça um monte de bobagens, mas você sabe que desde que te conheci naquele banco de praça admirando o pôr-do-sol que sumia no horizonte (um tanto poético, nostálgico e diferente, diga-se de passagem) me concentro nas letras para dissertar sobre cada passo seu numa atitude de perpetuar teus movimentos na minha memória.


Sei que em alguns momentos fui um louco obsessivo, mas a paixão às vezes nos faz perder a noção do certo e errado, e querida, apenas pondere. Você sabe o quanto sou apaixonado e por ti seria capaz de arrancar a lua do céu e deixar as estrelas solitárias. O fato é que fiz de você minha existência e meu motivo para respirar. Posso parecer insano, mas sabes o quanto sou lúcido e se preciso faço uso do meu perfeito juízo se pedir.

Adoro tua boca, tuas pernas, teus braços, cada curva do teu corpo. Não há nada melhor neste mundo do que me perder em ti. Abraçar-te. Apertar-te. Esquecer as horas, os dias, os compromissos. Por ti fico um pouco mais e até eternamente. Treinado, domesticado,mudo. Um escravo. Isso parece insensato, mas confesso ... dependo de ti. És minha estrela guia, meu sol, minha galáxia, meu universo, e aqui estou eu de novo a falar sobre o espaço.

Cada vez mais me perco entre os devaneios desta história louca que parece sem um final previsível e perto. Longo. Desejo-te sempre. Quero você aqui. Ali e não distante. Agora vão fugindo as palavras, talvez as tenha suguado para si, assim como domina meu mundo e penetra minha cabeça, me deixa sem ar e fora de mim. Pena isso tudo ser fruto da minha imaginação.

... Outra vez, me vejo sozinho neste apartamento.

Vai minha tristeza,
e diz a ela que sem ela não pode ser,
diz-lhe, numa prece
Que ela regresse, porque eu não posso Mais sofrer.
Chega, de saudade
a realidade, É que sem ela não há paz,
não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim, não sai de mim, não sai
Mas se ela voltar, se ela voltar
Que coisa linda, que coisa louca
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos que eu darei
Na sua boca,
dentro dos meus braços
Os abraços hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim
Abraços e beijinhos, e carinhos sem ter fim
Que é pra acabar com esse negócio de você viver sem mim.
Não quero mais esse negócio de você longe de mim...

(Chega de Saudade - Tom Jobim)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...