24.2.10

Fantasia


- João Otávio! Que mancha é essa na sua camisa!

Ele baixou a cabeça, puxou o colarinho e avistou a pequena nódoa vermelha.

- Fud#$


...


Duas horas antes ...

- Safira pára! - Pede ele sentado na beira da cama.

- Que é amor? (silêncio). Hoje você está cheio de frescura. Que foi não gosta mais de mim?

Ela desiste da tentativa de desabotoar a camisa dele.

- Não, não é isso. - Disse ele passando a mão pelos cabelos castanhos e tirando o óculos em seguida. - Não sei o que é. Desde que cheguei aqui estou com um pressentimento ruim. Não tá legal.

- Você está doente?

- Não querida.

- Então o que é?

- Não sei.

Ela se senta ao lado dele e apoia os cotovelos, nos joelhos.

- Não vai querer brincar hoje? - questiona ela com um tom muxoxo.

Ele a fita um olhar devorador e abre um sorriso malicioso. Se aproxima e a beija na nuca.

- O que achas?

Rolam na cama. Em meio a carícias ...a interrupção.

- Ei espera!

- O que foi agora?

- Tenho uma surpresa pra você. Espera quietinho aí na cama que já vou voltar.

- Ok. Ok. Não vai demorar.

O chuveiro é ligado. Cinco minutos. Dez minutos. Quinze minutos.

Ela entra de finininho no quarto, toda fogosa e encontra ele ... dormindo.

- Ah não Tavinho!

Ele balbucia alguma coisa agarrado ao travesseiro. Chega a ser cómico a cena de um homem vestido social dormindo que nem uma criança e babando.

- Arh! Não sabia que ele babava.

Ela se aproxima. Decide acordá-lo de uma outra maneira. Pega uma parte do cabelo e desliza com ele sobre o rosto do amante. Ele se mexe. Uma, duas vezes. Acorda. Dá um sobressalto ao ver a figura a sua frente.

- Tá louca!

Ela recua para um lado e ele para o outro.

- Quer me matar de susto? Quer me matar do coração? - Pergunta assustado.

- Desculpa querido, só quis te fazer uma surpresa.

- Vestida de diaba? De onde você tirou essa idéia?

Ela se levanta da cama. Fica em pé. Nessa posição a fantasia se evendencia. Corpete vermelho, um tanguinha mínima, a meia arrastão e as botas longas de salto fino, ah! fora os chifrinhos,o rabinho, a maquiagem pesada e o bocão vermelho.

- Você está ... está...

- Estou ...

- Rídicula!

- Mal agradecido! - grita ela furiosa.

Ele percebe o vacilo.

- Desculpa amor. - Fala puxando pra perto de si. - Não foi a intenção. Vai ... me faz cair em tentação!


...


- Sim!!! Eu estou esperando uma explicação!

- Explicação? Que explicação?

- Não se faça de bobo João Otávio eu não nasci ontem! - Berra ela furiosa.

- Debora meu amor, eu posso explicar...

- Meu amor o caramba! Que você tenha uma boa justificativa se não alguém aqui vai dormir no sofá.

- Eu tenho torcicolo.

- Dane-se!

Ele pensa um instante...

- O que você estava querendo saber mesmo?

- Não se faça de desentendido!

Ele olha a camisa.

- Catchup!

- O quê? - Ela questiona indignada.

- Catchup querida. Não está vendo.

- Não me venha com essa. Isso é mancha de batom! Você está me traindo!

- Que isso querida. Eu sou fiel! Eu Te Amo! Olha pra mim, diz se tenho cara de quem fica rolando com uma mulher vestida de diabinha?

- Ãh?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...