14.1.10

A sala

Acordou meio zonza, vestida naquela bata azul deitada numa cama. Tentou se situar. Alguma coisa tinha acontecido com ela. Piscou. Piscou. Piscou. A luz branca do alto inundava seus olhos recém abertos. Deduziu que era um hospital pelas paredes claras. Tinha certeza disso. Tentou se levantar, mas sentiu o corpo pesado demais e dolorido. Concluiu que algo havia mudado.
Virou a cabeça lentamente para o lado. Pode ver melhor o espaço em que estava. Uma sala, três leitos a esquerda vazios, um a direita ocupado. Ocupado? Sim! Um homem de pouco mais de 26 anos. Bonito. Ficou animada ao ver que até ali podia ver seres bem apessoados do sexo oposto. Mas lembrou-se de repente que poderia estar completamente desarrumada. Passou a mão pelos cabelos e sentiu os fios emaranhados.
- Ah não! – Falou.
O rapaz ao lado abriu os olhos e fixou-se nela.
- O que você disse? – Perguntou confuso e surpreso.
Ela ficou desconcertada.
- Oi ... desculpa. Não disse nada. Perdão. Acordei você.
- Não, não. Pode ficar tranqüila. Está tudo bem?
- Por quê?
- Não a conheço, mas não precisa muito para perceber que você não está com uma cara muito boa.
- Mesmo? – Questionou um tanto assustada.
- Sim. Está sentindo dor? Está tudo bem com a cirurgia?
- Cirurgia? – Perguntou um tanto perplexa.
Ele percebeu que ela ainda estava se situando com os novos acontecimentos.
- Isso. Se você está nesta sala é porque passou por algum procedimento cirúrgico.
Ela ficou muda. Sem reação. As coisas começavam a se encaixar. Fazia pouco tempo que descobrira que estava doente. Que ia ter que ser operada. Tudo isso depois de uma visita rotineira ao médico, daquelas sem compromisso.
- Já pensou em levantar o lençol? Tipo olhar debaixo da bata?
Ela se mexeu um pouco. Levantou o pano com o braço que não estava o soro. Não viu grandes coisas.
- Tive uma idéia melhor. – Interrompeu ele ao ver todo o embaraço dela. – Vou olhar sua ficha.
Ele levantou-se e de um pulo estava ao lado dela no leito.
- Apendicite. Isso é chato.
- Você já foi operado?
- Já. Mas foi há muito tempo. Hoje estou bem. – Respondeu ele.
- Entendi.
- Mas fique tranqüila, vai dar tudo certo. O pessoal daqui é bem legal.
- Só espero que o médico tenha feito um bom serviço. Espero que não tenha sido um desses malvados que só fazem abrir e fechar. Que tenha deixado uns pontos bonitinhos, afinal barriga é barriga. Não quero viver complexada com uma cicatriz enormeeee.
Ele sorriu.
- Você é meio dramática.
Ela ficou sem jeito.
- Não sou. Só me preocupo um pouco com estética.
- Vaidosa?
- Um pouco.
- Você quer o quê? Médicos não fazem milagres, apenas trabalham para deixar as pessoas melhores e saudáveis.
- Eu nem sei quem me operou. Vai que é um açougueiro.
- Não sabe? – Perguntou ele curioso.
- Não. Eu estava em casa e de repente vim parar aqui. Sabia que ia ser operada, mas ainda estava organizando tudo ainda. Agora acordo e tcharam! Já estou no hospital.
- Compreendo. Mas relaxe. Você ainda está se recuperando. Aposto que seus pontos estão bem pequenininhos. Três. Super discretos.
- Tomará! Se não eu vou atrás desse médico!
Ele esboçou um sorriso sem graça.
- O que vai fazer?
- Não sei ainda, mas com raiva não sou uma pessoa muito agradável.
- Vai pular no pescoço dele? – Questionou o rapaz.
- Não sei ainda.
Silêncio.
- Vai ver ele é um médico bom, não esse aí ... malvado como você está pensando. – Continuou.
- Quem sabe.
- Sabia quem existem médicos bem legais? Que cuidam dos pacientes e se preocupam com eles independente se estão pagando ou não. Ah e quem fazem um ótimo trabalho?
- Me apresente um. – Pediu ela irônica.
Uma enfermeira entrou na sala e interrompeu a conversa. Aproximou-se do rapaz e disse algo tão baixo pra ele, que a moça na outra cama não pode ouvir.
- Bem. Agora tenho que ir. Acabou meu horário de descanso. Tenho que operar outra paciente.
- Operar?
- Você vai ficar bem. Sua cirurgia foi tranqüila. – Finalizou ele sorrindo parado em frente à porta - Afinal eu sou médico e tenho que trabalhar direitinho para não deixar uma cicatriz enormeeee na paciente. Vai que ela fica complexada ...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...