14.5.09

O Amor é cego? ( ou Casamento ! )

- Amor vamos casar?

Ele dá um pulo assustado.

- O quê?

- Casar!

- Casar?

- Sim.

- Você diz: aliança, igreja, papelada, convidados?

- Sim querido.

- Eu não!

Ela o encara surpresa.

- O que você disse?

- Eu não!

- Porque não?

- Porque não!

- Tem que ter um motivo.

- Motivo?

- Sim!

Pausa.

- Você tem outra?

Ele dá um pulo assustado.

- Eu tenho outra? De onde você tirou essa idéia?

- Só pode ser isso. Você tem outra pessoa e não quer casar!

- Benzinho, você viajou legal. Eu passo 50% do meu tempo com você e o restante no trabalho e no meu curso. Essa hipótese está descartada.

Ela respira aliviada.

- Então porquê você não quer casar?

- Pensa comigo querida...

Ele abraça ela.

- Sim.

- Quando duas pessoas decidem se casar muda um monte de coisas.

- Hum...

- A primeira delas é que nós vamos engordar.

- Eu não!

- Tá bom. Só eu vou engordar. Você já ouviu dizer que casamento engorda? Então? Já pensou você lá com seu grupo de amigas linda e maravilhosa quando uma delas pergunta: ‘e aí qual daqueles é o seu marido?’, aí você cabisbaixa responde: ‘aquele barrigudo ali’. Já pensou docinho?

- Não seria tão ruim.

- É porquê o bicho feio não é você. Tem outra. Quando você visse minha coleção de cuecas ia arrancar os cabelos.

- Coleção de cuecas?

- Sim. É assim que eu chamo o rastro de roupa que deixo do quarto ao banheiro. Já te contei que quando vou para o banho vai ficando uma trilha para trás? Tipo cueca, meia, calça, blusa.

- Você muda com o tempo.

- Difícil. Se prefere acreditar nisso, tudo bem. Tem mais ... quero ver quando eu começar a arrotar na sua frente, soltar pum, tirar meleca do nariz.

- Que horror!!!

- Mas é verdade. Uma hora isso vai acontecer.

- Tem outra também. Eu ronco mais alto que um porco. Por isso que quando tinha 10 anos a mamãe me colocou num quarto separado. Vai dizer que você achava que o fato de ter um quarto só para mim numa casa com cinco filhos era mordomia?

- Você ronca? Eu não sabia.

- E falando na mamãe ... sogra é sogra. Ela é um anjinho, mas quem garante que você vai amá-la para sempre. Eu que não quero correr o risco de ter a minha mãe empurrada pela escada pela minha própria esposa. Vamos considerar... tem horas que a velha é chata.

- Não vejo nada de mal nela.

- E imagina quando você ficar grávida! Não quero nem pensar. Eu não gosto muito de criança. Filho bom é o filho dos outros. Se bem que ... Você ia ficar uma gracinha barrigudinha. Já estou até vendo você toda bolinha, com cara de bolacha.

- Credo!

- Ah ... Já ia esquecendo, têm as crises também. Se não formos fortes vem às filiais ou os filiais. Logo a colega do trabalho começa a ser mais gostosinha do que a patroa lá em casa. O professor da academia é mais gatão. O meu marido é um banana é por aí vai...

- Acho que não.

- Pois é meu anjinho, se você quiser, eu continuo dissertando sobre muitas e muitas outras coisas que vem além da ‘felicidade’ num casamento.

Silêncio.

Ela pensa.

Pensa.

Faz biquinho.

Olha o horizonte.

E ...

- E aí querida ainda vai querer casar?

- Melhor não, né? O amor é cego, mas nem tanto.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...