7.4.09

O sorriso escondido

Se você a encontra-se pela primeira vez talvez nem percebesse o seu segredo.

Sinceramente não era algo terrível, mas para uma adolescente de 16 anos equivalia a ser o patinho feio.


No início ela até gostou, só que a reação da galera ...


Com o tempo limitou seu sorriso. Já não era algo que se via por aí ... abertamente.


Passou a ser uma expressão somente para casos estritamente necessários.


Não ia distribuí-lo à toa. Era algo particularmente dela. Único.


Com o tempo optou por escondê-lo atrás dos longos cabelos que lhe caiam no rosto.


O batom marrom acabou deixando-a mais enigmática.


Surgiram os primeiros convites, as primeiras propostas, os primeiros desejos.


‘ – Eu quero beijar você. ’


Não deu ouvidos.


No fundo tinha medo.


E se as coisas fugissem de suas mãos?


E o segredo?


Tentou se convencer do contrário, mas sucumbiu ao impulso.


Ela era humana.


Aconteceu.


Foi num show.


Ele de calça jeans, all star e uma camiseta dessas de banda de rock. Ela, uma blusa branca, all star, calça folgada, o cabelo num rabo de cavalo.


Veio em sua direção.


A postura atraente, o olhar penetrante, o sorriso malicioso.


Sentiu a resistência desvanecer a medida que os passos se aproximavam.


Ela o conhecia, mas queria ser forte o suficiente para não ter que ceder a enorme vontade em erupção dentro dela.


As palavras dele soaram vagas.


Só voltou a si, quando sentiu os lábios desconhecidos se afastarem.


Pronto. Estava feito.


Antes que dissesse algo, ele a interrompeu com um novo beijo. Acabou se convencendo que não podia mudar sua vida por causa de um aparelho nos dentes.

Um comentário:

  1. Muito bacana seu texto, Dannie. Continue assim ! Que a vida lhe abençoe permanentemente com essa criatividade, alegria, jeito de menina levada e talento. Gde abço.

    ResponderExcluir

Poucas palavras ...