19.3.09

Um cafuné por favor !


A semana está tão complicada.

Corrida.

Estressada.

Agora eu só queria um cafuné.

É um pedido tão simples, tão inocente.


Um cafuné por favor!


Não custa nada e me fará sorrir.

Esquecerei que o mundo está agitado de mais, e terei um pouco de calma.

Relaxarei.

Talvez faça manha e aja que nem um gatinho me encolhendo toda, com um sorriso de orelha, a orelha.

Também posso retribuir e dessa vez quem irá sorrir é você.


Você quer um cafuné?


Cafuné é tudo de bom.

Mas não é algo que se distribua por aí.

As pessoas andam arredias. Esqueceram que não é tão díficil fazer um.

É indolor e faz bem para a alma.

Desestressa.

Então faça um cafuné na primeira pessoa que você encontrar depois que ler este post.

Garanto que ela vai te olhar sem jeito, mas depois ... ela lhe retribuirá com um sorrisão.

Se me permite, gostaria de dar um cafuné ...


Na moça que ainda não recebeu flores do namorado.

Na amiga que voltou a estudar para o concurso.

Na mãe que acompanha a filhinha doente no hospital (ela vai ficar boa).

Na avó preocupada.

Na professora que canta nos finais de semana.

No rapaz da informática que se irrita quando as coisas não saem do jeito que ele quer e que fica sem jeito quando eu tento lhe contar uma piada (sou péssima nisso)

No motorista que agora anda a pé (é bom pra perder a barriguinha)

No casal de namorados ciumentos (no fundo é só saber dosar que o amor prevalece)

Naquele que está começando a vida agora depois dos 40 (ainda vêm muita coisa pela frente)

No jovem que será uma eterna criança e aniversaria amanhã.

Na moça que passa o dia no sol e depois corre contra o tempo para terminar sua matéria (todo esforço é válido)

No colega cinegrafista que filma a morte, mas que quando decidi encará-la começa a tremer e saí do mesmo espaço que ela.

Na amiga que aprendeu a conciliar o trabalho com o homem da sua vida (não disse que um dia ele apareceria?)

No viajante solitário que um dia volta para seu porto seguro (tudo que vai um dia volta, principalmente quando quem ficou foram a família e os amigos)

Enfim ...

Sinta o cafuné que estou te dando agora.

3 comentários:

  1. No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas
    que o vento não conseguiu levar:
    um estribilho antigo
    um CARINHO no momento preciso
    o folhear de um livro de poemas
    o cheiro que tinha um dia o próprio vento...

    Mário Quintana

    Eis aí o meu cafuné em forma de poema....

    ResponderExcluir
  2. Como eu precisava de um cafuné, obrigada ultimamente tenho que me sacrificar pra viver melhor.



    Lee

    ResponderExcluir
  3. Ah, esqueci de dizer: obrigada pela parte que me toca no "cafuné-coletivo" que, diga-se de passagem, é muito criativo e muito eficiente esses Posts-ajuda-virtual-coletivos-dos-seus-amigos (já é o 2º nesses moldes). Tempos modernos, corridos, restritos de tempo; contudo, damos sempre um jeitinho de acarinhar os amigos quando queremos.

    ResponderExcluir

Poucas palavras ...