4.12.08

A 5ª Integrante (ou simplesmente a ‘menina’)

Era engraçado ver aquele quinteto, os quatro rapazes e a pequena.

Conheceram-se em grupo de jovens, de uma das maiores igrejas da cidade e logo montaram um grupinho, mesmo que sem querer.


Quem os encontrasse por aí juraria que a ‘menina’ era namorada de um dos meninos, mas não era.


Havia uma cumplicidade, proteção. Ela era uma espécie de mascote, a mulher do grupo, e acabou sendo o que tornava o quinteto diferente.


Falei que ela não era namorada de ninguém, mas sempre que aparecia algum marmanjo aproveitador na parada, um dos rapazes segurava a mão da ‘menina’ e lançava um olhar bem feio e logo o lobo-mau saia correndo com medo.


Aos sábados iam para a reunião na catedral, e depois para o rock, showzinhos que rolavam em um lugar que hoje não funciona mais (os tempos agora são outros e os jovens também).


Era meio contraditório igreja/ rock, mas ninguém teve nenhum conflito com isso. Era todo mundo ‘cabeça’.


Se ela não queria sair, alguém tinha que levá-la a parada de ônibus. Não era certo deixar a ‘menina’ andando sozinha nas ruas do centro da cidade em um sábado à noite. Era divertido quando os cinco iam esperar o buzão, quatro quietos e um fazendo palhaçada.


Quando veio a banda (de rock claro) ela estava lá em todos os ensaios, cantando, balançando a cabeça, agitando, mesmo que a mãe dela pegasse no pé, o pai dela dissesse que era estranho e que o irmão dela morresse de vontade de ir também.


Nas apresentações do grupo (dos rapazes) ela ficava na torcida. Ela também tava por ali, camiseta branca, calça jeans e all star, pulava, pulava que quando ia pra casa era como se tivesse feito umas 300 abdominais, exausta, mas feliz.


Com o tempo vieram os conflitos (mesmo nos quintetos aparentemente perfeitos, eles também surgem) não eram bichos-de-sete-cabeças, só que a juventude também tem suas guerras internas, ainda mais quando se trata de pais e filhos.


E um dia cada um ganhou o seu rumo e o quinteto ficou só como uma lembrança para essa blogueira que vós escreve.




Dedico o texto acima ao Bruno, ao Williams,

ao Juscelino e ao Dinho.

2 comentários:

  1. ti...5.12.08

    Esse sim pode se chamar de um texto da Dannie, fazia um tempo que não lia um destes por aqui, mas um pouco de história e eu chorava, derrepente vem na cabeça tantas lembranças, tempos bons esses...

    ResponderExcluir
  2. Dannie, esse teu texto me fez lembrar de dois poemas do Quintana, que expressam os dois momentos vividos, (im)explícitos (passado e presente).

    E quando tudo parecia a esmo / E nesses descaminhos me perdia / Encontrei muitas vezes a mim mesmo...
    Eu temo é uma traição do instinto / Que me liberte, por acaso, um dia / Deste velho e encantado labirinto
    (Labirinto)

    Já que o labirinto deixou-se revelar, perdeu seu encanto, resta-lhe o maravilhoso espetáculo do real, do agora:

    Não desças os degraus do sonho
    Para não despertar os monstros.
    Não subas aos sótãos - onde
    Os deuses, por trás das suas máscaras,
    Ocultam o próprio enigma.
    Não desças, não subas, fica.
    O mistério está é na tua vida!
    E é um sonho louco este nosso mundo... (Degraus)

    ResponderExcluir

Poucas palavras ...