7.5.09

Meu velho


Quando se é criança não se entende ...
a pele enrugada,
o sorriso cansado,
os cabelos brancos.

A figura que nem sempre é a mais bela do mundo ganha valor à medida que os anos passam e você só percebe o quão sensacional é a sua história e as coisas que viveu depois de um tempo.

Poucas pessoas que conheço têm a garra e a persistência que você trouxe traçada em sua existência.

É meu velho ... eu não acredito na morte como algo definitivo e cruel.
Tenho pra mim que você saiu de férias e está viajando para um lugar feliz e florido.

Nunca aceitei (nem sempre é possível aceitar tudo) que um dia você teve que partir, tranqüilo como no canto de um passarinho.

Lembro-me na vez que me aproximei de você para te pedir perdão.
Você tinha um coração tão grande que eu me achei tão pequena e na minha humildade queria que me perdoasse por nem sempre compreender a simplicidade que emanava de você.

Podem passar muitos anos ... mas meses, semanas e dias não são suficientes para apagar da mais profunda memória uma pessoa tão especial e batalhadora como você.

É meu velho ... eu sei que mesmo aí onde estás ainda apronta das suas. Duvido se não continua observando nossas trapalhadas dando aquela risada baixinha.



Já faz 3 anos que meu avô partiu pro céu, mas têm horas que bate aquela saudade...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...