11.8.10

A novela na Caixa Econômica

12h30, terça-feira

Entro pela porta principal da Agência da Caixa Econômica Muiraquitã (Av. Borges Leal), cansada e com fome. Menos de 30 segundos depois começa o drama...

Apesar de ter colocado os celulares na caixa de plástico, o alarme da porta giratória dispara. Volto. Examino a bolsa. Tiro uma agenda cuja mola é metálica. Nova tentativa. O alarme soa. Procuro o que possa estar causando o problema. Deixo um cortador de unhas, brinde que ganhei na auto-escola. O alarme apita. O guarda do lado de fora me olha desconfiado.

- Eu não sei, mas o que tem aqui dentro. Pelo amor de Deus! Eu já tirei tudo o que tem de metálico!

- Tem moedas?

Recolho todas as que estão no fundo da bolsa. Coloco tudo numa carteira. Agora já são vários os meus objetos na caixa de plástico: dois celulares, uma agenda, um cortador de unha, uma carteira com moedas.

Dirijo-me a porta giratória, certa de que conseguirei entrar para o interior da agência. O alarme ecoa. Volto. Olho o interior da bolsa e vejo uma caneta. Ela parece metálica. Acaba fazendo companhia aos outros pertences.

Constrangida, tento passar pela porta mais uma vez. Sou barrada pela voz na caixa de som. O guarda do lado de fora se aproxima com uma cara de poucos amigos. O do lado de dentro do prédio me olha desconfiado. A vontade que tenho é de arremessar minha bolsa no chão. Dá vontade de perguntar “ Tô com cara de assaltante?”

- Deixa eu ver o que tem na sua bolsa.

Algumas caras aparecem pelo guichê. Pescoços se esticam. Entrego a bolsa de pano, artesanal, estampada com uma florzinha do lado.

- Moço. Não tem mais nada aqui dentro. Olha! Pode ver. Só tem papel e maquiagem.
Ele me observa. Pensa em silêncio.

- Me dá sua bolsa. Entra que eu te dou ela. Passa sozinha.

Faço o que ele me pede. A porta não dispara. Quase dez minutos depois eu consigo entrar no interior da agência.

13h15

Chego ao guichê. Apresento os documentos. Explico a situação para o caixa. Silêncio. Tec,tec, tec. Dois minutos depois...

- Minha senhora, infelizmente não poderei resolver seu problema aqui. Como sua conta foi aberta na agência central você terá que ir pra lá.

- Não acredito! – Disparo frustrada.

- Me desculpe.

Baixo a cabeça. Menos de um minuto depois desabafo...

- Moço aquela porta giratória lá da frente me barrou quatro vezes. O guarda me olhou com uma cara desconfiada. Desde o dia 4 eu estou tentando sacar esse dinheiro para pagar minhas contas. A Caixa Econômica sem minha permissão transfere meu pagamento sem mais porque para uma conta que eu não uso a mais de dois anos. Depois de ficar uma hora ali esperando eu chego aqui e o senhor me diz que não pode fazer nada?

(Eu não gritei. Eu juro)

Ele me olha com pena. Pede um momento. Sai do guichê e vai para uma sala fechada. Retorna alguns minutos depois.

- Já liguei para um amigo da outra agência. Entregue esse bilhete. Ele irá ajudá-la.
Agradeço feliz da vida.

13h40

Entro na Agência da Caixa Econômica na Avenida Tapajós. Dessa vez deixo a bolsa na moto e levo apenas a carteira e os documentos. Passo tranqüila pela porta, sem olhares intrigados de guardas e clientes. Subo as escadas até o segundo andar. Informo-me. O sujeito a quem era destinado o bilhete era um dos mais ocupados. Na sua frente cerca de 20 pessoas aguardavam o atendimento. Chego de fininho e chamo pelo seu nome. Entrego o bilhete escrito pelo caixa. Ele lê rapidamente e pede meus documentos em seguida analisa no computador.

- Moça, eu não poderei te ajudar. Vai aqui do lado com a funcionária fulana de tal. Se ela liberar um comprovante de pagamento, eu posso fazer o saque pra você. Do contrário não.

Agradeço arrasada. Menos de cinco minutos estou numa nova mesa diante de outra funcionária. Explico a situação. Ele cria uma senha e esclarece o procedimento dali por diante.

- Você criou sua senha. Vou solicitar seu cartão que deve chegar daqui a um mês. Agora você vai lá embaixo em um dos caixas que a moça vai realizar o saque.

- Caixas?

- Sim.

- Não dá pra ser no caixa eletrônico?

- Não. Só na próxima. A não ser que queria deixar o seu dinheiro depositado.

- Não obrigado.

13h55

Minha senha é a de número 143. No guichê está a 141. Sou atendida. Sem drama, sem sofrimento.

""Simples assim""

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...