9.7.09

Super Poderosas (ou nem tanto assim)

Não faça barulho perto de uma mulher com TPM. Você corre o sério risco de ser atingido pelo objeto mais próximo. Isso não é um conselho é um alerta! Vai por mim não queira arriscar. As mulheres tendem a desenvolver uma força oculta inimaginável. Baixa o espírito Sansão nelas.

É um período muito delicado. Sensível... Quando não estão pondo o mundo abaixo, estão chorando. Se mulheres já são tidas como choronas, nesse período o estoque de lágrimas precisa ser renovado constantemente. As mulheres passam a chorar mais ainda. Choram por coisas tolas. Choram ao ver o comercial de margarina (aquele da família bonitinha e feliz). Choram pela mocinha da novela que vive se dando mal (porque os vilões só quebram a cara no final da trama?). Choram ao ver aquele bebê fofinho (que cuti-cuti). Choram pelo namorado/marido/noivo/amante que não dá atenção.

Esse é outro ponto. Podem estar rodeadas por centenas de pessoas, mas se dizem sozinhas. Surgem às indagações ‘Você não me ama’, ‘Você não gosta mais de mim’, ‘Você tem outra’, ‘Você prefere seus amigos a mim’ etc, etc, etc. Haja saco (sem duplo sentido da palavra).

É a época dos desejos mais insanos também. A imaginação no quesito comida não tem limites. A fome oculta mostra as suas garras. O regime vai para o beleleu. As enormes taças de sorvete são bem vindas, assim como as barras de chocolate e as pizzas. A alegria dura até a sutil mudança da balança. Gramas na visão delas viram quilos.

Algumas mulheres dariam ótimas atrizes. A veia dramática torna-se muito mais perceptível nesse período. Há casos em que o espetáculo não deixa a desejar a uma grande peça. As pessoas se revelam.

E o que dizer da escolha dos DVD’s?

Não é a toa que o ramo de filmes românticos fatura milhões todo ano. Pode acreditar essas historinhas água com açúcar são pedidas certas.

Antes que alguém pergunte se estou de TPM, saiba que estava. E não me questiona não tá bom?



P.S: Ainda bem que meu pai não fabrica bombas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...