16.6.09

O que o homem sente ... quando é traído

Por Antônio Prata


Evidentemente, eu nunca fui traído – chifres, broxadas, hemorroidas não são o tipo de coisa que acontece com a gente: acontece com o primo da gente. E meu primo me contou, tintim por tintim, como foi que ele descobriu que sua namorada tinha ido para a cama com um cara que não era ele, como pensou em homicídio, suicídio, depois ouviu Tim Maia por semanas a fio e acabou reconciliando-se com a vida. De forma que posso relatar às leitoras, com alguma verdade, o que passa dentro da cabeça de um homem quando ele descobre que, do lado de fora, nasceram dois portentosos chifres.

HOMICÍDIO


Meu primo e sua namorada estavam dormindo quando o telefone dela tocou. Ele acordou, pegou o aparelho, viu lá “Adalberto” piscando, entregou para ela. Ela desligou imediatamente. “Quem era?” “Ninguém.” “E por que ‘ninguém’ se chama Adalberto?” Ele insistiu, ela gaguejou, a casa caiu. A namorada do meu primo chorou, disse que o amava, que estava arrependida, mas que tinha, de fato, dado pro tal Adalberto. O mundo às vezes é muito cruel.

“Eu mato esse filho da puta!”, gritou meu primo, minutos antes de expulsar a namorada de sua casa. O impulso homicida, felizmente, passou em menos de 24 horas, e a raiva foi solapada pelo total desespero quando meu primo se deu conta de que um filme pornô ininterrupto era projetado na tela de seus pensamentos, estrelado por sua amada e um tal Adalberto.

SUICÍDIO


Adalberto não tinha um rosto no filme, uma vez que meu primo não o conhecia, mas seu pinto era imenso e fazia a moça gozar e gritar: “Meu Deus, Adal, isso é que é sexo, não aquela mixaria que eu tenho com o primo!” Meu primo estava ferido no centro de sua masculinidade. Sentiu-se um personagem de Nelson Rodrigues, tinha ganas de sair à rua gritando: “Sou corno! Sou corno!”, depois tomar formicida e atirar-se de um precipício.

TIM MAIA


Meu primo bebeu cachaça, ouviu ME DÊ MOTIVOS 3 423 vezes, até que um dia, depois de ter derramado lágrimas suficientes para encher todas as garrafas que havia esvaziado, quando seu ego estava desidratado como uma banana passa, ele teve uma iluminação.

Não que a dor tivesse sumido, o céu continuava carregado, mas de um buraco entre as nuvens surgiu o raio de luz, ele viu aquele mesmo filme e pensou: “Ela deu pra outro cara. Ela gozou com outro cara. E daí? Eu não sou o único homem deste mundo. Ela ama a mim, não a ele. Paciência”.

O tal do Adalberto surgira numa época em que meu primo estava viajando toda semana para Goiás, muito empolgado com seu trabalho. Estava dando pouca atenção à sua namorada. Ele havia, até mesmo, ido para a cama com uma moça chamada Lucienne, numa tarde, em Goiânia.



E sabe o que ela representava para ele? Nada, só isso, uma moça chamada Lucienne, numa tarde, em Goiânia. Se meu primo gostava da namorada, teria que perdoá-la e aceitar que ela ter transado com um cara chamado Adalberto significava o mesmo que ele ter transado com uma moça chamada Lucienne. Ele teria que escolher entre seu amor e seu narcisismo, e ficou com o primeiro.

Meu primo namorou mais um ano aquela mulher. Depois terminaram, por razões internas que não vêm ao caso e nada têm a ver com o nome no celular. Meu primo diz, hoje, que acha até bom que tenha passado por isso tudo. Ele amadureceu, descobriu a dimensão trágica escondida atrás da música pop e, de quebra, ainda perdeu a barriga de tanto chorar de estômago vazio. Hoje, acredita, é até uma pessoa mais serena. Mas ai se descobrir que a atual namorada o traiu: ele mata! Mata, esfola e joga no rio!



ANTONIO PRATA É CRONISTA E ESCRITOR, AUTOR DE VÁRIOS LIVROS, ENTRE ELES O INFERNO ATRÁS DA PIA (ED. OBJETIVA)


Publicado no Especial Dia dos Namorados da Revista Claudia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...