1.3.09

Brincando com a realidade

















"Eles jogam lixo lá em cima e vêm tudo parar aqui. Eu sei que é perigoso brincar nessa lama, mas é legal. Não tenho medo de cair na água, mas dos jacarés que o pessoal diz que tem aqui."
Edson da Silva, morador do bairro de Santo André.



2 comentários:

  1. Vou aproveitar a "deixa" do tema e relacioná-lo com outro problema ambiental também vinculado às enchentes (gestão de resíduos sólidos ou lixo doméstico/hospitalar).

    Façamos a nossa parte pra amenizar o sofrimento dessas pessoas, como por exemplo:

    1- Quando formos lançar fora remédios vencidos não deixemos o conteúdo em seus respectivos vidros ou embalagens, porque os que vivem dos lixões certamente os (re) utilizarão com sérios riscos à saúde;

    2-Proprietários de Farmácias e Administradores de Hospitais devem se preocupar, conhecer quais os locais onde são depositados os seus lixos. São incinerados? São jogados a céu aberto? Quem vive no entorno desses aterros? É população de baixa renda (potenciais usuários dos lixões) ou são pessoas mais privilegiadas economicamente? Há de se ter a responsabilidade sobre as vidas expostas a este tipo de lixo - seringas, resíduos contaminantes diversos - tóxico ou letal.

    3-Se possível, não misture lixo orgânico, úmido, cortantes etc., com material que invariavelmente serão catados nos aterros (vidro/metal/plástico/papelão etc). Vamos tornar a vida dessa gente um pouquinho menos sofrida;

    4- Não joguemos lixo nas ruas, na praia, no restaurante, no bar,na escola, diretamente no solo. Por mais que o local seja varrido horas depois, haverá sempre um plástico, um papel "fugidio", uma tampa que caiu e que não foi catada que irão se alojar no bueiro, nos escoamentos etc; e isso somado a milhares,a milhões de outros plásticos, tampas e diversos causarão um impacto grandioso no meio ambiente;

    4- Quando formos juntar o lixo não coloquemos areia, pedras, pequenos entulhos de construção ou reforma nos sacos plásticos, baldes ou contêneires. Vamos reservá-los para serem coletados nas ocasiões próprias. Tenhamos compaixão dos trabalhadores que precisam fazer um esforço herculíneo para jogar os depósitos dentros das caçambas...Eu acho que o "x" da questão é cada um de nós nos colocarmos no lugar do outro. Ai o sujeito vê o que é bom pra tosse! Questão de humanidade,sensatez, bom-senso . Somos sujeitos na construção do nosso meio. Se ele será saudável ou inviável ambientalmente, isso cabe quase que exclusivamente (excetuando-se os eventos naturais incontroláveis) a cada um de nós.

    ResponderExcluir
  2. ti...3.3.09

    caramba eu conheço esse guri, não sabia que ele morava no Santo André, pena encontrar ele nessa situação complicada, mas é a realidade em alguns lugares da nossa cidade, espero que mais pra frente isso se resolva, mas fiquei surpreso em ver esse rosto conhecido ainda mais desse jeito nesse barquinho...

    ResponderExcluir

Poucas palavras ...