26.11.08

Web: mercado negro de dados rende mais de US$ 270 milhões

A empresa de segurança Symantec divulgou nesta segunda-feira um relatório sobre o mercado negro de informações confidenciais na Internet. O levantamento analisa uma economia paralela online em que bens roubados e serviços relacionados a fraudes são comercializados regularmente. O relatório somou o preço anunciado por esses produtos e serviços, chegando a um valor de mais de US$ 276 milhões no período de um ano.

Cartões de crédito lideram
A categoria mais anunciada nesse mercado paralelo virtual é a das informações de cartão de crédito, que respondem por 31% do total. A facilidade de pagamento via cartão de crédito em compras online torna suas informações bastante suscetíveis a roubo e fraudes.

Segundo o levantamento, a maior parte dos números de cartão de crédito roubados é vendida por valores baixos, entre US$ 0,10 e US$ 25 por cartão. A média de limite dos cartões anunciados é superior a US$ 4 mil, resultando em um valor potencial de US$ 5,3 bilhões por todos os cartões de crédito.

Informações bancárias

As contas de banco ficam em segundo lugar entre os bens mais comercializados: representam 20% do total. As informações roubadas são vendidas por valores entre US$ 10 e US$ 1 mil. Juntas, as contas correntes anunciadas atingem um valor potencial de US$ 1,7 bilhão.

As contas bancárias são bastante visadas por criminosos devido à velocidade das transações e ao alto potencial de retorno.

Economia próspera

Esse mercado paralelo é bastante diversificado, reunindo tanto grupos organizados quanto criminosos que trabalham sozinhos. O estudo da Symantec detectou 45% dos servidores na América do Norte, enquanto a América Latina responde por 5%.

O mercado online de informações roubadas está prosperando, ressaltou Stephen Trilling, da Symantec. "À medida que esses indivíduos e grupos continuam a desenvolver novas ferramentas e técnicas para fraudar usuários legítimos do mundo inteiro, a proteção contra esses ataques torna-se uma prioridade internacional".(Terra)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...