10.11.08

Roqueiro gastou mais de 4 milhões de reais em cocaína

No auge do sucesso como baixista da banda Blur, o inglês Alex James foi viciado em drogas. Num livro de memórias, ele fez uma revelação bomba: torrou o equivalente a quase quatro milhões de reais só em cocaína e champanhe.

Ele diz que hoje não usa mais drogas.

O livro de Alex teve grande repercussão. Tanto que Álvaro Uribe, presidente da Colômbia, o maior país produtor mundial de cocaína, resolveu fazer um convite: que tal conhecer de perto as conseqüências nefastas do tráfico de drogas?

Alex chega à capital, Bogotá.

Ao chegar à capital colombiana, Bogotá, Alex se pergunta: "quantas pessoas que cheiram cocaína têm alguma idéia de onde ela vem?"

Cinqüenta jornalistas foram assassinados nos últimos cinco anos, por causa de reportagens denunciando tráfico e corrupção. Para um jornalista, este é um dos lugares mais perigosos do mundo.

Pelo sim, pelo não, ele só anda em carro blindado, protegido por seguranças.

Alex James é recebido pelo vice-presidente colombiano, Francisco Santos. E pergunta logo: "Por que vocês me convidaram?"

Santos responde: "O dinheiro do consumo de coca financia minas terrestres, destruição do meio ambiente, terrorismo, seqüestro. Uma pessoa como você, que assume responsabilidade em relação a este problema, pode nos ajudar. Se sou eu quem diz isso, ninguém vai acreditar. Mas se é você quem diz, por causa do que viu aqui, as pessoas vão acreditar muito mais”.

A primeira missão é saber como a Colômbia combate o plantio da folha de coca, matéria-prima da cocaína. Alex voa para o sul do país.

"Estou dentro de um helicóptero a 450 metros do chão", diz ele.

As tropas colombianas também arrancam pés de coca, um por um.

Em uma única plantação existem várias minas terrestres, 32 homens já morreram em ação.

"Realmente, aqui dá pra ver como é difícil combater o plantio", diz Alex James.

De volta a Bogotá, Alex tem um encontro marcado. "Estou prestes a conhecer um traficante dos grandes. Não podemos contar essa história sem conversar com eles", diz Alex.

'Bem-vindo à Colômbia! Meu amigo diz que você veio conhecer o nosso produto nacional?”, diz o traficante.

Alex: "Eu era de uma banda, e isso aí é o óleo que lubrifica a indústria do rock'n'roll"

Traficante: "Pra fazer dinheiro, tem que vender para as classes altas. É um produto consumido por artistas, empresários, donos de fábricas."

Alex: "Eu sou da Inglaterra. É um mercado grande pra você?"

Traficante: "A droga entra na Europa pela Espanha. As máfias de lá exportam para todo o continente. Acho que grande parte dos europeus vê a cocaína como uma coisa necessária para uma festa ou um show. É uma escolha pessoal".

Durante a entrevista um dos traficantes cheira cocaína na frente de Alex.

O próximo entrevistado de Alex James é um pistoleiro de aluguel, que trabalha para um grande traficante. O pistoleiro está disfarçado de motorista de táxi.

Alex pergunta: "Como é o seu trabalho?"

Pistoleiro: "É cuidar dos interesses do patrão. O trabalho não é só recolher o dinheiro de quem tem dívida com ele. Temos que tomar conta dele todos os dias, porque ele tem inimigos".

Alex: "Você tem muito trabalho? É muito ocupado?"
Pistoleiro: "Claro. Trabalho todo dia. Não é uma carreira que você escolhe. É uma coisa que acontece, um estilo de vida. Tem gente que diz que sonha com os mortos, matam e sonham com os mortos, um tormento. Isso é pura besteira. Tudo na vida é questão de costume".

Uma semana depois da entrevista, o pistoleiro foi assassinado.

Próxima parada: El Charco, cidade que fica na maior região produtora de coca.

Ele se encontra com o plantador Sotero, viúvo que mora com seis filhos.

Alex pergunta se a coca dá mais dinheiro que uma plantação de café ou de banana.

Sotero responde: Se o governo ajudasse a pessoa a trabalhar, ninguém plantaria coca.

O plantador leva Alex até o meio da selva, onde a cocaína é transformada em pasta.

Alex descobre que, primeiro, as folhas são misturadas com cimento. Depois, vem gasolina! Toda essa mistura libera das folhas a substância ativa da cocaína.

Em seguida, água fria e ácido sulfúrico drenam a gasolina. O resultado é aquecido e recebe mais um aditivo. A pasta está pronta.

Só depois desse processo é que ela é refinada em outro local, num laboratório improvisado, e vira o pó consumido em várias partes do mundo.

O baixista da banda Blur ainda participa de mais uma missão. Um informante pago pelo exército promete levar os soldados colombianos até um laboratório na selva, descoberto antes da chegada de Alex James à Colômbia.

Desta vez, Alex tem de usar um colete à prova de balas.

Alex: Como é que você sabe onde fica o laboratório de cocaína?"
Informante: "Porque eu trabalho lá".
Alex: "Você tá com medo?"
Informante: "Claro que tenho medo. Fico sempre nervoso, porque estou entregando amigos, amizades. Isso dói também".

As expectativas acabam frustradas. A missão é abortada por causa de problemas em um dos helicópteros.

Alex James finalmente é recebido pelo presidente colombiano, Álvaro Uribe.

Alex pergunta se Uribe sente raiva das pessoas que consomem a droga na Inglaterra e ignoram o que acontece na Colômbia. "É claro. Cada dose de cocaína é combustível para assassinatos na Colômbia", diz o presidente.

Alex: "Acho que se as pessoas percebessem que cada quilo de cocaína custa uma vida neste país, talvez elas não achassem que cocaína é legal."

Uribe: "Aqui, a cocaína é a causa de uma grande tragédia".

A Colômbia fornece 80% de toda a cocaína consumida no mundo. Por ano, a droga movimenta o equivalente a mais de R$120 bilhões.

Depois dessa viagem, Alex passou a ver a Colômbia como um país lindo e cheio de contradições.

"País nenhum vai legalizar a cocaína, e ao mesmo tempo os governos parecem incapazes de aplicar todas as leis contra os entorpecentes. Assim, se as pessoas não pararem de consumir, a droga nunca vai deixar de ser produzida”, diz Alex. (
Fantástico)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...