17.11.08

Menina de 10 anos se divorcia de marido de 30

Uma menina de apenas dez anos de idade se torna um símbolo para mulheres de todo planeta. Você vai saber agora quem é esta criança que foi obrigada a se casar. Mas resolveu desafiar os costumes tribais do mundo onde vive e conseguiu se divorciar do homem que a violentava.

O sorriso tímido, o tamanho e as brincadeiras. Nujood Ali é uma criança como outra qualquer. Mas aos 10 anos - idade em que as meninas sonham com contos-de-fadas - ela já viveu um pesadelo.

Nascida no Iêmen, um dos países mais pobres da Ásia, de tradição islâmica, Nujood não teve escolha. Aos 9 anos, foi obrigada pelo pai, desempregado, a casar com um homem de 30 anos.

A criança interrompeu a infância, se divertiu com os presentes de casamento e o noivo prometeu à família que só faria sexo com a menina depois que ela completasse 20 anos de idade. Estava tudo certo.

Mas Nujood conta que, já nos primeiros dias, tentou evitar, mas foi violentada pelo marido. Na sociedade em que ela vive, o estupro e o casamento entre homens bem mais velhos com crianças de até 8 anos de idade não são raros. A novidade foi a reação da menina.

Triste, ela contou à família: "Eu não queria dormir com ele, mas ele me bateu, me insultou, me violentou", admitiu.

A mãe diz que ficou com o coração apertado. "O marido é um criminoso. Fez coisas odiosas com ela. Ele não cumpriu a promessa”, afirma a mãe.

Mas a resposta dos pais, que como muitos islâmicos radicais no Iêmen seguem costumes tribais, foi que eles não poderiam proteger a menina. Nujood pertencia ao marido.

Ela fugiu e foi sozinha ao juiz.

"Ele me perguntou o que eu queria e eu disse: quero o divórcio", lembra a menina. O juiz se assustou. "Mas você é casada?”, perguntou. Ela respondeu que sim.

A menina ficou sob os cuidados de uma advogada especializada em direitos humanos. E conseguiu o divórcio. Mas seguindo leis da aldeia, o marido não foi processado, nem punido. E ainda recebeu mais de US$ 200 de indenização paga pelos pais.

Pela coragem, Nujood virou símbolo no mundo. Fotos do jornal “Daily News” mostram a premiação em Nova York como uma das mulheres de destaque de 2008, ao lado da senadora Hillary Clinton, da Secretária de Estado Americana, Condollezza Rice, e da atriz Nicole Kidman.

Mas a história chocou o Iêmen. Divorciada, a menina voltou a morar com os pais e é hostilizada por ter desafiado as convenções.

Nujood não se arrepende. "O que fiz foi para que as famílias escutem e pensem sobre casar suas filhas tão jovens quanto eu era. Eu nunca mais vou me casar", diz.

Num mundo dividido entre a miséria e a tradição, talvez ainda demore muito até que a infância das meninas do Iêmen seja salva. (Fantástico)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...