27.11.08

Eu nunca comi jabuticaba!!!

Prometa que não vai rir da revelação que vou fazer agora!!!

Vou escrever bem pequenininho que é pra ninguém vê, só você tá bom?

Eu nunca comi jabuticaba!!!

Sim aquela frutinha pequenininha que dá no tronco e nos galhos de uma árvore frondosa.

Mas agora vêm a outra história.

Eu menti pra você.

Sim eu menti, não foi porquê eu quis, se eu não tivesse mentindo você com certeza não leria esse post, se bem que agora é capaz de você desistir, não vou me alongar.

Até dois dias atrás eu realmente nunca tinha provado a frutinha cor de vinho, com cara de uva, casca com sabor de azeitona e gosto de ingá.

Isso só foi possível graças a solidariedade (depois de muitas risadas claro) do meu amigo Lauro.

Outro dia trocando uma idéia ele começou a se gabar que no quintal dele plantando tudo dá, até uva.

Ele começou a dissertar sobre as espécies frutíferas e blá, blá,blá ... quando falou na jabuticaba, eu disparei que nunca tinha provado, comido, sei lá como você preferir.

No que é claro ele caiu na risada e começou a tirar com a minha cara.

Depois de umas boas gargalhadas ele falou que ia molhar a plantinha, melhor a plantona, até ela se encher da frutinha.

Só atentou que eu teria que disputá-la com os passarinhos que são fãs de jabuticaba.

Passou quase um mês e quando cheguei em casa na terça ...

"- Dannie, seu amigo lá do hospital esteve aí, ele trouxe jabuticaba. Tá lá na geladeira. Ah ... já ia esquecendo, ele pediu para te explicar como comer, você abre a fruta assim, assim (fez meu irmão explicando o procedimento)e come, entendeu?"

"- Tendi sim."

Agora vêm a série de fatos que se seguiram ...

O papai confundiu com uva e depois foi perguntar o que era.

A mamãe disse que provaria depois, nem sei se ela provou.

O meu irmão gostou e já comeu boa parte da quantidade que eu ganhei.

E a Dona Cissa, sim a minha babá, a fiel escudeira, companheira de todas as horas aos 56 anos de idade me superou e comeu jabuticaba pela primeira vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Poucas palavras ...